DIFERENÇAS DA CÉLULA ESPERMÁTICA SUÍNA E CRIOPROTETORES: REVISÃO

Dalvane Di Domenico, Eliza Montenegro de Souza Resende Pedroso, Pedro Paulo Maia Teixeira

Resumo


Na espécie suína o emprego de sêmen congelado leva a índices reprodutivos insatisfatórios, quando comparados aos obtidos com sêmen resfriado em inseminação artificial, pois o processo de criopreservação produz danos celulares conhecidos como crioinjúrias, que afetam a qualidade estrutural e funcional dos espermatozoides. As lesões ocasionadas têm sido atribuídas à mudança de temperatura, toxicidade de crioprotetores e estresse osmótico. Além das alterações da membrana plasmática que levam a maior sensibilidade da célula ao processo de criopreservação, ainda possui uma baixa defesa antioxidante citoplasmática e no plasma seminal favorecendo a danos oxidativos in vivo. Para as células sobreviverem ao processo de criopreservação é necessário a presença de agentes crioprotetores durante o resfriamento, congelamento e descongelamento. Os agentes crioprotetores são divididos entre externos ou não penetrantes e internos ou penetrantes.

Palavras-chave


Inseminação artificial. Criopreservação. Crioprotetores.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.3738/1982.2278.1169