FATORES AMBIENTAIS NA RESPOSTA FISIOLOGICA E COMPORTAMENTAL DE VACAS LEITEIRAS

Raphael Chiarelo Zero, Silvio de Paula Mello

Resumo


O estudo foi desenvolvido na bovinocultura leiteira da Faculdade Dr. Francisco Maeda, localizada no município de Ituverava, SP. Utilizaram-se dez vacas girolandas, multíparas, com peso médio de 450 kg e produção média diária de 9 litros de leite. O experimento foi conduzido durante a estação de inverno de 2013. Objetivou-se avaliar as condições de estresse térmico, por meio de coletas e análises dos dados de temperatura de bulbo seco, bulbo úmido, temperatura de globo negro, umidade relativa do ar, e posteriormente o cálculo do índice de temperatura de globo e umidade (ITGU). Todos os dados foram coletados no ambiente sombreado e ao sol. Avaliaram-se parâmetros fisiológicos e comportamentais dos animais. Os dados referentes aos fatores ambientais, comportamentais e fisiológicos foram coletados a cada sessenta minutos, no período entre ordenhas, das 9:00 as 14:00 horas. Verificou-se que as condições ambientais referentes à sombra indicaram valores de conforto térmico em quase todos os horários, com exceção das 14:00 horas, com ITGU médio de 77,44, indicando condição de alerta. Os resultados obtidos para o ambiente exposto ao sol apresentaram índices estressantes em todos os horários, indicando situação de alerta e emergência, respectivamente, caracterizando condições de estresse térmico para as vacas em lactação. Grande parte dos parâmetros fisiológicos e comportamentais avaliados não se mostrou compatíveis com os presentes na literatura. Mesmo na estação de inverno, o clima da região avaliada mostrou-se desfavorável para as vacas em lactação, indicando altos valores de ITGU e conseqüentemente estresse térmico.

Palavras-chave


Gado leiteiro. Estresse térmico. Comportamento. Fisiologia.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.3738/1982.2278.1508