A IMPORTÂNCIA DO COBRE, MOLIBDÊNIO E ENXOFRE NA ALIMENTAÇÃO DE OVINOS

Luciana Freitas Guedes, José André Júnior, Luiz Felipe Martins Neves, Pedro Augusto Dias Andrade, Iran Borges

Resumo


Objetivou-se relatar a importância dos minerais cobre (Cu), molibdênio (Mo) e enxofre (S) na alimentação de ovinos bem como a interação destes minerais no metabolismo ruminal. Os efeitos adversos de aumentar o Mo e S dietéticos sobre a utilização de Cu pelos ruminantes têm sido atribuídos à formação de tiomolibdatos (TMs ou MoS42-) no ambiente ruminal rico em sulfeto. Os efeitos sistêmicos dos TMs envolvem principalmente a inibição do metabolismo do Cu. Além de comprometer a absorção de cobre, outras desordens clínicas são observadas por esse desbalanço mineral, tais como: anormalidades na pigmentação e queratinização da lã e pelo, anemia, anomalias esqueléticas e ataxia enzoótica. Além disso, os ovinos, dentre as espécies de animais domésticos, são mais predispostos a apresentarem tanto o quadro de deficiência como o de intoxicação pelo cobre devido aos limites de necessidade e tolerância serem muito próximos: 3 a 8 ppm e 15 ppm, respectivamente. Dessa forma, a suplementação com sal mineral específico para ovinos bem como o cuidado com as proporções entre os minerais cobre, molibdênio e enxofre é de primordial importância na alimentação desses animais minimizar perdas produtivas e, principalmente, evitar distúrbios metabólicos e graves intoxicações.

Palavras-chave


intoxicação; metabolismo; minerais; nutrição; tiomolibdato

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.3738/21751463.2831