PLACENTITE EM ÉGUAS: UMA REVISÃO

Hanna Caroline Prochno, Camila Oliveira Rosa, Mateus Anastacio da Silva, Andressa Guidugli Lindquist, Camila Bizarro da Silva

Resumo


A placentite é uma das principais causas de abortamentos, natimortos, perda perinatal e dificuldade em conceber na temporada reprodutiva subsequente. O objetivo deste trabalho e revisar os aspectos relacionados com a etiologia, sinais clínicos, métodos diagnósticos e tratamento da placentite em éguas. A placenta equina é fixada ao endométrio através de microcotilédones, com exceção da estrela cervical, sendo a região mais afetada pela afecção. O principal agente etiológico da placentite são as bactérias, seguidas dos fungos, vírus e protozoários. A contaminação uterina decorrente de falha das barreiras anatômicas é o fator predisponente fundamental. Os principais sinais clínicos são lactação precoce, corrimento vaginal, morte fetal e abortamento. Uma das formas de diagnostico e feita através da ultrassonografia, avaliando a placenta, fluido uterino e o concepto. Não há tratamento definido, mas o objetivo é combater a infecção, reduzir a inflamação e controlar a atividade do miométrio. O prognóstico tanto para a égua quanto para o potro é variável, dependendo do tempo de gestação, grau de infeção e eficácia do tratamento. É importante monitorar o terço final de gestação das éguas, favorecendo o diagnóstico precoce para obter sucesso com o tratamento e nascimento de um potro saudável.

Palavras-chave


Equinos; Aborto; Morte embrionária; Dismaturo;

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.3738/21751463.2880