TOLERÂNCIA DE JUVENIS DE PACU PIARACTUS MESOPOTAMICUS À ÁGUA SALINIZADA

Sérgio Garcia Barbosa Junior, Regiane Batista Gonçalves Teixeira, Marina Calil Cabral, Marcelo Assano, Rosangela Kiyoko Jomori

Resumo


O cloreto de sódio é um produto comumente utilizado durante a criação de peixes de água doce em manejos profiláticos e terapêuticos. O objetivo do trabalho foi avaliar o desempenho e o tempo de tolerância de juvenis de pacu P. mesopotamicus submetidos a diferentes salinidades da água: 0 (água doce), 3, 6, 9, 12, 15 ‰, com três repetições, durante 20 dias. O experimento foi realizado em unidades contendo 12 litros de água cada, em sistema de água parada e substituição diária de 100% do volume. Em outro experimento, determinou-se o tempo de tolerância dos juvenis em concentrações de 10, 15, 20, 30, 40 e 50 ‰, por períodos de 15, 30 e 45 minutos de exposição. Posteriormente, nas salinidades de 30, 40 e 50‰, o tempo de tolerância foi investigado por períodos de 4, 8 e 12 minutos. Não houve diferenças (P>0,05) para o crescimento entre os animais mantidos nas salinidades de 0 a 9‰. Já nas salinidades de 15 e 12‰, observou-se a mortalidade total (100 %) após 6 e 24 horas de experimento, respectivamente. Nas salinidades mais elevadas, de 30, 40 e 50 ‰, observou-se 66, 100 e 100% de mortalidade nos tempos de 15, 30 e 45 minutos de exposição, respectivamente. Por outro lado, a permanência dos animais nas concentrações de 30, 40 e 50‰ por períodos de 4, 8 e 12 minutos não causou mortalidade dos peixes, e 100 % dos animais sobreviveram após o retorno para a água doce.

Palavras-chave


Zootecnia; Produção Animal; Aquicultura

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.3738/na.v2i2.467