SUBMERSÃO DE SEMENTES DE FEIJÃO DO GRUPO PRETO E DESENVOLVIMENTO INICIAL DE PLÂNTULAS

Nathalia Shizue Ogawa, Adriana Martinelli Seneme, AUREA PORTES FERRIANI, Cristina Gonçalves de Mendonça

Resumo


O processo de germinação depende de vários fatores destacando-se o percentual de umidade na semente. Durante o período de embebição, a falta de oxigênio pode levar a alteração da via respiratória aeróbica para anaeróbia e se o processo seguir a via fermentativa, a capacidade de germinação será comprometida. Este trabalho teve o objetivo de avaliar o efeito de diferentes períodos de submersão de sementes no desenvolvimento inicial de plântulas de feijão. Foram utilizadas duas cultivares de feijão do Grupo Preto, denominadas Soberano e FTS41. Determinou-se: teor de água inicial e após diferentes períodos de embebição (0, 2, 4, 6, 8 e 24 horas), índice de velocidade de emergência, altura de plântulas, emergência final e peso de matéria seca da parte aérea de plântulas. O delineamento experimental foi inteiramente casualizado com 4 repetições por tratamento e a comparação de médias foi feita pelo teste de Tukey (5%). A cultivar Soberano apresentou velocidade de emergência superior à FTS41. A cultivar FTS41 apresentou maior porcentagem média de emergência final e não sofreu ação dos períodos de embebição; já a cultivar Soberano apresentou redução a partir de 4 horas. Houve redução da altura em plântulas da cultivar Soberano a partir de 2 horas de embebição e na FTS41 a partir de 8 horas. Para peso de matéria seca, houve redução a partir de 8 horas em ambas cultivares. Concluiu-se que a partir de 8 horas de submersão das sementes, houve prejuízo à qualidade inicial das plântulas de feijão de ambas as cultivares.

Palavras-chave


TECNOLOGIA DE SEMENTES; ARMAZENAMENTO

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.3738/1982.2278.1644