INFLUÊNCIA DE FORMATO DE CORTE E ÁCIDO ASCÓRBICO EM MELÃO MINIMAMENTE PROCESSADO

Maria Amália Brunini, Antônio Luís de Oliveira, Gabriela Ferraz de Siqueira, Cristina Vieira Coelho, Rosa Diniz da Silva

Resumo


O objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito de formato de corte (cubo, fatia e retalho) na conservação de produtos minimamente processados de melão 'Valenciano' amarelo, tratados ou não com solução de ácido ascórbico a 1%. Após o preparo, os produtos minimamente processados foram acondicionados em bandejas de polietileno tereftalato, revestidas externamente com filme plástico de PVC de 0,014mm de espessura, e armazenados a 8±1ºC, com 85% a 95% de UR. A cada 2 dias, os produtos minimamente processados foram avaliados quanto aos teores de carboidratos solúveis, relação sólidos solúveis totais e acidez total titulável, escurecimento, desenvolvimento de podridão e características sensoriais. Os tipos de formato de corte empregados no processamento mínimo de melão permitiram produtos com boa aceitabilidade até o sétimo dia de armazenamento a 8±1ºC; a aceitação sensorial foi semelhante para todos os produtos minimamente processados, independentemente do tratamento ou não com solução de ácido ascórbico 1%; os teores de carboidratos solúveis e a coloração da polpa foram influenciados pelo formato de corte e tratamento com solução de ácido ascórbico a 1%.

Palavras-chave


Cucumis melo, L. Processamento mínimo. Característica sensorial ; Fresh cut. Sensorial characteristics.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.3738/nucleus.v2i1.400