HERANÇA DA RESISTÊNCIA AO CANCRO DA HASTE (Diaporthe phaseolorum (Cke.& Ell). Sacc.F.sp. Meridionalis Morgan Jones) EM SOJA (Glycine max (L.) Merrill)

Antônio Luis de Oliveira, Alfredo Lam-Sanchez

Resumo


Genótipos de soja com diferentes reações frente a um isolado de Diaporthe phaseolorum f. sp. Meridionalis foram cruzados para o estudo da herança da resistência. As reações dos parentais e da população progênie foram estudadas em condições artificiais de inoculação, utilizando o “método do palito”. O cruzamento entre a linhagem ‘J-118’ (resistente) e o cultivar ‘BR-23’ (suscetível) apresentou na geração F1’, todas as plantas resistentes e, na geração F2, uma proporção de três plantas para uma suscetível, mostrando que há resistência para uma suscetível, mostrando que a resistência na linhagem “J-118” é condicionada por um gene dominante. O cruzamento entre dois cultivares suscetíveis, J-200 e BR-23, não apresentou, na população segregante, qualquer nível de resistência.

Palavras-chave


Soja. Cancro da haste

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.3738/nucleus.v3i2.441